Sociedade de Advogados – como escolher?

Aplicativo Jurídico e Inteligência Artificial no Direito – conheça as novas tendências para o advogado do futuro
13 de abril de 2018
Advocacia Online
Advocacia Online – vale a pena investir nesse segmento?
25 de abril de 2018
Sociedade de Advogados

Ter o seu próprio escritório de advocacia é o objetivo profissional de muitos advogados, contudo, escolher a o modelo societário ideal é um desafio da maior parte. Isso porque a escolha não é algo tão simples de se fazer, e depende de alguns fatores, tais como a tributação, método de trabalho, etc. Portanto, hoje você ficará sabendo sobre como escolher a sociedade de advogados ideal e as características da Sociedade Unipessoal de Advogados, bem como as diferenças entre a Sociedade Unipessoal e a Sociedade de Advogados.

Vamos lá?

A Sociedade Unipessoal de Advogados

A principal característica dessa Sociedade é que o advogado trabalha por conta própria. Apesar de poder ter funcionários, não possuirá sócios. É extremamente indicada para o profissional de advocacia que não encontrou um parceiro profissional adequado para começar o seu escritório, mas que deseja ser dono do próprio negócio mesmo assim. Contudo, é preciso entender que existem algumas peculiaridades a respeito desse modelo de negócio.

Primeiro: o advogado não possui sócios, o que significa que ele terá de absorver uma carga maior de trabalho. Não é incomum que audiências e outros compromissos oficiais sejam marcados para o mesmo dia e horário, o que, de certa forma, limita a capacidade do advogado de adquirir uma grande quantidade de casos.

Mas, isso não é necessariamente um empecilho para que o advogado trabalhe com múltiplos casos, desde que compreenda suas limitações.

Existem vantagens para este modelo de negócio, principalmente no que diz respeito à tributação. Um advogado pessoa jurídica pode optar, por exemplo, pelo Simples Nacional.

Isso quer dizer que o advogado que opta por essa sociedade, na verdade não será sócio de ninguém, e o negócio ficará sob seu nome. Esse modelo de negócio foi criado justamente porque um escritório de advocacia não pode ser enquadrado como uma EIRELI, e por conta do desejo – e necessidade – de muitos advogados para terem seus próprios escritórios sem outros sócios.

A opção pela pessoa jurídica dá-se, sobretudo, pelas vantagens tributárias, ademais, o advogado autônomo onera com encargos previdenciários o contratante, pessoa jurídica.

Outra vantagem refere-se à contratação de advogados funcionários ou contrato de parceria.

O que é preciso fazer para abrir uma sociedade unipessoal?

  • Consultar a Prefeitura para garantir que o local desejado possa ser utilizado como um escritório de advocacia;
  • Escolher um regime tributário
  • Solicitar um certificado digital que deverá conter as informações da sociedade unipessoal de advocacia.

Os impostos

A tributação por meio da pessoa jurídica pode ser mais vantajosa para o advogado.

A sociedade unipessoal de advogados, sendo pessoa jurídica, se sujeita à tributação como qualquer empresa, podendo optar pelo SIMPLES NACIONAL, que costuma ser muito mais vantajosa que o Lucro Presumido e o Lucro Real. No mais, quem pode definir com certeza qual é o sistema tributário mais vantajoso para a Sociedade Unipessoal de Advogados é o profissional especializado na Contabilidade para Advogados.

Você pode ler mais sobre a tributação aqui.

Além disso, é importante contar com um Planejamento Tributário.

O Planejamento Tributário é a ferramenta ideal para o advogado ter todos os seus impostos a pagar na ponta do lápis, afinal, a melhor forma de se antecipar aos desafios que podem vir com o seu negócio é saber como prevê-los e preparar medidas contra eles.

Sociedade de Advogados

Para constituir uma sociedade de advogados, dois ou mais profissionais devem se unir em sociedade. Adota-se “razão social” (nome ou sobrenome de um ou mais sócios), e deverá estar sob a responsabilidade de um dos membros da sociedade, que cuidará de todos os aspectos legais do seu novo negócio.

A grande vantagem aqui é poder delegar tarefas e garantir que uma carga maior de trabalho seja absorvida pelo negócio, sendo que esta poderá ser dividida entre os membros do escritório.

Sobre a tributação, novamente deve haver a escolha de um dos três regimes tributários disponíveis, cujos benefícios para o escritório devem ser avaliados pelo contador.

Qual vale mais a pena?

Essa é uma resposta que fica à caráter do advogado. É ele quem decide qual é o modelo de negócio mais adequado para si. Porém, é importante levar os aspectos tributários em consideração e ter o auxílio de uma contabilidade para advogados.

É importante entender quais são as suas necessidades como profissional do Direito. Você prefere trabalhar sem sócios? Deseja poder pagar menos impostos? Ou será que prefere trabalhar ao lado de pessoas da sua confiança, mesmo que isso te custe mais dinheiro ao final do mês?

Seja diferente, inove, evolua, inscreva-se em nossa newsletter !

Você deverá pesar o que é mais importante e o que é menos importante para você e o seu escritório e, com base nisso e em uma análise realizada por profissionais, decidir qual modelo de negócio é mais vantajoso para você.

A Prèzzo entende as suas necessidades e pode te auxiliar para que você tenha um escritório.

Em caso de dúvidas, entre em contato conosco!

Sucesso e até a próxima.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1